domingo, 2 de dezembro de 2007

Provérbios, adolescentes e outras borbulhas

Ser julgador em causa própria é sempre algo complexo. Daí que esteja pendente agradecimento à Luísa por um seu recente post - c/ form forx lendo, axim irás vendo! – a propósito de uma ideia para a promoção dos provérbios portugueses em bibliotecas públicas, desenvolvida pelo bonecreiro do adrian.

Apresentada no 1º Colóquio Interdisciplinar sobre Provérbios (organizado pelo Instituto de Estudos de Língua Tradicional da Universidade Nova de Lisboa e pela Sociedade Finlandesa de Literatura) pretende-se, acima de tudo, que a literatura de tradição oral não morra, fruto da bela/horrível globalização. Aproveitam-se os espaços funcionais e a organização por assuntos dos documentos na biblioteca pública para lhes associar os adágios correspondentes, e transcrevem-se os mesmos de modo formal e em texting (linguagem sms). Vantagem dupla: os mais novos têm contacto com antigos ensinamentos e os mais velhos deparam-se com uma linguagem recente.

Comunicação disponível no E-LIS, para quem a quiser usar, assim lhe ache relevância e interesse. Apenas se pede o básico: menção de autoria.

2 comentários:

júlia martins disse...

Li e reli este post com atenção e gostei e apresento os meus PARABÈNS pela iniciativa. Recordei a Semana dos Provérbios que promovi, enquanto coordenadora da Biblioteca Escolar da EB2.3 de Azeitão, no ano de 2005.

Continuação de bom trabalho.

Gaspar Matos disse...

Obrigado, Júlia, e volte sempre!
Um abraço!